Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/8721

Title: Relações solo-topografia num terreno agrícola: aplicação à espessura efectiva e à tipologia do solo.
Authors: Alexandre, Carlos
Marques da Silva, José Rafael
Mogo, Pedro
Rosado, João
Issue Date: 2004
Publisher: Sociedade de Ciências Agrárias de Portugal
Citation: Alexandre, C., Marques da Silva, J. R., Mogo, P. & Rosado, J. 2004. Relações solo-topografia num terreno agrícola: aplicação à espessura efectiva e à tipologia do solo. Revista de Ciências Agrárias, Vol. 27, 1:182-193.
Abstract: Em terrenos de relevo ondulado, como sucede em vastas áreas da peneplanície alentejana, são muitas as evidências da relação geral entre as condições topográficas e as características edáficas de que as catenas são a expressão mais paradigmática. O levantamento detalhado dos solos em grandes extensões é uma tarefa muito demorada e de difícil viabilidade financeira. A pesquisa de relações entre a morfologia do terreno e as características edáficas, em áreas seleccionadas, pode permitir a transferência de conhecimentos adquiridos nessas áreas a outras de litologia e topografia equiparáveis, simplificando a amostragem necessária. Neste trabalho apresentam-se os resultados de um levantamento de 211 perfis obtidos com recolha mecânica de monólitos cilíndricos, em duas áreas de 26 e 24 ha na mesma parcela de regadio, próximo de Terena, Redondo. Em ambas as áreas o relevo é bastante ondulado e os solos são derivados de calcários, xistos associados a depósitos calcários,xistos e depósitos coluviais. A Análise em Componentes Principais não evidenciou qualquer correlação entre as variáveis quantitativas da morfologia do terreno e a espessura efectiva do solo. A Análise Factorial de Correspondências aplicada a um maior conjunto de dados, quantitativos e qualitativos, permitiu uma boa definição da relaçãoentre as características do solo e a morfologia do terreno para as situações extremas: as unidades topográficas de alto de encosta estão fundamentalmente associadas à classe de espessura mais reduzida (menor que 50 cm) e aos Solos Calcários, em grande parte devido à ocorrência da litologia 2 calcária nas zonas de maior cota; nas unidades de base de encosta convergentes e vales, ocorrem os solos de maior espessura (entre 80 e 120cm), principalmente Coluviossolos, mas também Solos Hidromórficos, juntamente com a classe mais alta do índice de humedecimento (W). Nas áreas de meia encosta verifica-se uma maior indefinição, ocorrem as classes baixa e intermédia do índice de humedecimento e os solos vão dos mais delgados aos mais espessos, correspondendo a solos Calcários e Argiluviados.
URI: http://hdl.handle.net/10174/8721
Type: article
Appears in Collections:ICAAM - Publicações - Artigos em Revistas Nacionais Com Arbitragem Científica

Files in This Item:

File Description SizeFormat
2004_Alexandre&al_RCA_27_1_182-193.pdf1.01 MBAdobe PDFView/Open
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois