Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/6540

Title: Pegada hídrica de um olival super-intensivo sob clima mediterrânico, utilizando medições de campo e deteção remota
Authors: Nogueira, A.M.
Paço, T.A
Silvestre, J.C.
Mota, Manuel
Gonzalez, L.F.
Santos, F.L.
Pereira, L.S.
Editors: Bento, Albino
Pereira, José Alberto
Keywords: Pegada hídrica
deteção remota
olival super intensivo
Clima Mediterrânico
Issue Date: 2012
Publisher: Actas Portuguesas de Horticultura 21
Citation: Pegada hídrica de um olival super-intensivo sob clima mediterrânico, utilizando medições de campo e deteção remota, Actas Portuguesas de Horticultura 21, 197-206
Abstract: A pegada hídrica de uma cultura representa o volume de água necessário para produzir, relacionando as necessidades hídricas da cultura com a produção. As suas componentes, pegadas hídricas azul, verde e cinzenta, referem-se respectivamente aos volumes de água superficial e subterrânea, precipitação e de água necessária para assimilar a poluição utilizados pela cultura. A determinação das pegadas hídricas azul e verde é normalmente conseguida através da estimativa da evapotranspiração cultural, aplicando coeficientes culturais a uma evapotranspiração de referência, calculada a partir de dados meteorológicos. No presente estudo foram utilizadas medições da evapotranspiração para estimar a pegada hídrica de um olival super-intensivo na região de Évora. As necessidades hídricas foram medidas utilizando um método de fluxo de seiva para determinar a transpiração e o método micrometeorológico das flutuações instantâneas para medir directamente a evapotranspiração. Esta técnica foi utilizada durante um período de tempo limitado, enquanto as medições do fluxo de seiva, que foram efectuadas para períodos alargados, permitiram a extensão dos registos. A evapotranspiração medida directamente apresentou valores de cerca de 3 mm d-1 e o quociente entre evapotranspiração real e evapotranspiração de referência é próximo de 0,6 para o mesmo período. Comparou-se a estimativa da pegada hídrica obtida com o procedimento habitual com a resultante de medições in-situ e utilizando técnicas de deteção remota. A pegada hídrica do olival sob estudo foi inferior às simulações encontradas na literatura, o que pode ser explicado por diferenças na densidade de plantação, produção e gestão da rega. O olival em estudo obteve uma produção elevada, com um azeite que preencheu as características essenciais à classificação de azeite extra virgem, o mais valorizado, o que contraria o efeito do elevado consumo de água, resultando numa pegada hídrica inferior à de olivais não regados ou com menor densidade de plantação.
URI: http://hdl.handle.net/10174/6540
ISBN: 978-972-8936-12-9
Type: article
Appears in Collections:ICAAM - Artigos em Livros de Actas/Proceedings
ERU - Artigos em Livros de Actas/Proceedings

Files in This Item:

File Description SizeFormat
nogueira_et_al_paper_VI simpOliv.pdf3.78 MBAdobe PDFView/Open
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois