Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/6068

Title: Efeitos da rega e do regime hídrico em olival super intensivo no Alentejo
Authors: Santos, Francisco Lúcio
Coelho, Renato
Vaz, Margarida
Andrade, José
Paço, Teresa
Keywords: olival super intensivo
rega
regime hídrico
Alentejo
Issue Date: 2012
Citation: F.L. Santos, R.R. Coelho, M. Vaz, J.A. Andrade, T.A. Paço, 2012. Efeitos da rega e do regime hídrico em olival super intensivo no Alentejo. Livro de resumos do V Congresso Ibérico da Ciência do Solo, Angra do Heroísmo, Açores
Abstract: Rega localizada, colheita mecanizada, rápida entrada em produção, elevada produtividade e rendimentos sustentados, aliados a azeites de qualidade, têm garantido a expansão da área dedicada ao olival super- intensivo no Alentejo. Nesses olivais, com compassos apertados e elevada densidade de plantação, implantados em solos geralmente delgados de baixa capacidade de armazenamento de água e sob clima mediterrânico, de verões quentes e secos e outono nem sempre chuvoso, a gestão equilibrada das regas impõe cuidados especiais. O presente estudo caracteriza os efeitos de uma condução típica de rega em olival super-intensivo (1,35 x 3,75 m) na região de Évora (Alentejo) e em solo Pmg. Analisa-se o regime hídrico praticado e seus efeitos sobre a transpiração, a evaporação do solo e parâmetros fisiológicos indicadores do estado hídrico da cultura (potencial hídrico e condutância estomática). O método do balanço de água no solo permitiu estimativas da evapotranspiração cultural, com os do impulso de calor (sensores de fluxo de seiva) e microlisímetros a fornecerem informação sobre a transpiração e a evaporação do solo, respectivamente. Medições remota na zona do espectro de radiação infravermelha no topo das árvores, na entrelinha e linha (bolbo húmido dos gotejadores) forneceram indicação das temperaturas na copa e no solo, nas diferentes condições de humedecimento. Sensores PAR permitiram a partição sazonal da radiação solar entre o coberto vegetal e o solo e as frações que aí chegam . Com o regime hídrico em análise observou-se progressiva severidade no stress hídrico das plantas, com acentuada diminuição da transpiração e redução nos valores da condutância estomática e do potencial hídrico. A oliveira, bem adaptada ao clima mediterrânico, reduziu a atividade fisiológica no verão, não a reativando contudo no início de outono, quando os dias são mais frescos e chuvosos. Nesse período do ano (outono), a disponibilidade hídrica do solo determina a capacidade  de recuperação do olival, sendo particularmente importante a ocorrência de chuvas em olivais regados abaixo das necessidades hídricas. Em 2011, a quase ausência de precipitação nesse mês comprometeu tal recuperação, acentuando marcadamente o stress hídrico das plantas. Em anos de reduzida precipitação nesse período crítico, a estratégia de rega impõe manter o olival em conforto hídrico, com aumento da dotação e consumo pelas plantas.
URI: http://hdl.handle.net/10174/6068
Type: lecture
Appears in Collections:ICAAM - Comunicações - Em Congressos Científicos Internacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Abstract_CICS2012.pdf77.32 kBAdobe PDFView/Open
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois