Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/1516

Title: AVALIAÇÃO DA SOBREVIVÊNCIA DE LEITÕES ALENTEJANOS EM FUNÇÃO DA PRODUÇÃO E INGESTÃO DE COLOSTRO EM CONDIÇÕES EXPERIMENTAIS E DE EXPLORAÇÃO
Authors: Charneca, Rui
Tirapicos Nunes, José Luis
Keywords: suínos
raça alentejana
leitões
sobrevivência
Issue Date: Oct-2007
Abstract: A raça suína alentejana apresenta uma baixa produtividade numérica (Pn) comparativamente a outros genótipos, essencialmente devido a duas componentes de capital importância, a taxa de prolificidade (Tp) baixa e a taxa de mortalidade, elevada dos leitões até ao desmame (Tm). O objectivo deste ensaio foi estudar estas duas componentes com vista ao incremento da Pn na porca Alentejana. Seguiram-se 45 partos de porcas alentejanas (23 na estação experimental da Universidade de Évora - Mitra e 22 numa exploração privada - Torrão). Foram registados: o número de leitões nascidos (totais, vivos, mortos e mumificados), a duração do parto e a performance de cada ninhada, ao longo do período de amamentação de 28 dias. Ao nível dos leitões foram registados: os pesos ao nascimento, às 24 horas, e quando completaram idades de 7 dias, 14 dias, 21 dias e 28 dias; a temperatura rectal foi tomada ao nascimento, à 1ª e 24ª horas. Registaram-se diferenças não significativas nos parâmetros reprodutivos, leitões nascidos vivos de 8,3±0,4 na Mitra e de 7,7±0,5 no Torrão. O ganho de peso da ninhada, entre o parto e as 24 horas, foi maior (p<0,05) na exploração Torrão. Os leitões da Mitra apresentavam um peso ao nascimento superior ao dos leitões do Torrão, no entanto, tiveram um menor crescimento e ingestão de colostro nas primeiras 24 horas, indiciando uma maior capacidade de produção de colostro pelas porcas do Torrão. A taxa de mortalidade dos leitões entre o nascimento e o desmame foi de 28,9% (27,4 na Mitra e 30,6 no Torrão). As mortes ocorreram, maioritariamente, entre o nascimento e os 3 dias (82,5 %). Os leitões que morreram durante o aleitamento apresentaram pesos menores ao nascimento (p<0,001) e às 24 horas (p<0,001), a ingestão de colostro total e por kg de peso vivo também foi menor (p<0,001) reflectindo-se num menor ganho de peso, total e por kg de peso vivo (p<0,001), no intervalo considerado; paralelamente registaram-se temperaturas rectais mais baixas à 1ª (p<0,05) e 24ª horas (p<0,001). Assim, parece ser de sublinhar a importância do peso ao nascimento dos leitões e a capacidade produtora de colostro nas porcas. Devendo, por isso, dar-lhes maior atenção no sentido incrementar a Pn nesta raça autóctone.
URI: http://hdl.handle.net/10174/1516
Type: article
Appears in Collections:ICAAM - Publicações - Artigos em Revistas Internacionais Sem Arbitragem Científica
MVT - Publicações - Artigos em Revistas Internacionais Sem Arbitragem Científica

Files in This Item:

File Description SizeFormat
SOLO ABRIL N 18 art 03.pdfdocumento publicado328.8 kBAdobe PDFView/OpenRestrict Access. You can Request a copy!
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois