Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/3781

Title: Alimentos funcionais-um mercado em expansão?
Authors: Bento, Ofélia P
Editors: Carvalho, Maria Leonor S
Santos, Marcos OG
Keywords: alimentos funcionais
compostos bioactivos
valorização económica
normas reguladoras
Issue Date: May-2009
Publisher: Comissão Executiva do 1º Encontro Luso-Angolano de Economia, Sociologia e Desenvolvimento Rural-Universidade de Évora
Citation: BENTO, Ofélia (2009). Alimentos Funcionais - um mercado em expansão? In Carvalho, MLS & Santos, MOG, (eds) Economia, Sociologia e Desenvolvimento Rural, Proceedings do I Encontro Luso-Angolano da Universidade de Évora, 16-18 de Outubro de 2008, Serviços de Reprografia da Universidade de Évora, Portugal, pp. 321-333. ISBN: 978-972-778-104-1.
Abstract: Podem ser considerados como alimentos funcionais todos os alimentos que, além das suas propriedades nutritivas, providenciem efeitos benéficos para a saúde de quem os consome. O interesse por este tipo de alimentos começou a emergir no Japão por volta dos anos 80, constituindo-se actualmente como um mercado em grande expansão. Embora seja um conceito bastante antigo nos países asiáticos, onde muitos alimentos foram associados a benefícios terapêuticos, só no início do século vinte é que se começou a dar importância a estes assuntos no mundo ocidental. Durante a segunda metade do século vinte apareceram novas perspectivas terapêuticas dos alimentos, consubstanciadas em evidências científicas. Actualmente, produtos como a soja e seus derivados, os iogurtes com os seus lactobacilos ou o chá com os seus antioxidantes constituem exemplos bem sucedidos da indústria agro-alimentar neste domínio dos alimentos funcionais. Foi-se desenvolvendo, assim, um mercado global de alimentos funcionais que tem crescido, nos últimos anos, a uma taxa de cerca de 10% face à taxa de 2% verificada para os restantes alimentos e bebidas. Devido a esta nova perspectiva de valorização dos alimentos, países como os Estados Unidos, Japão e Austrália ou regiões como a Comunidade Europeia começaram a promover o lançamento de novas linhas de investigação com o objectivo de identificar os componentes bioactivos dos seus alimentos e assim reclamar as mais-valias dos seus produtos. Outros países, como a África do Sul, foram estudar os seus produtos tradicionais e criaram indústrias como a relativa ao “rooibos tea”, também conhecido por chá vermelho. Por outro lado, a identificação dos compostos bioactivos responsáveis pelos efeitos fisiológicos está a atrair a indústria farmacêutica, criando-se sinergias potencialmente interessantes entre aquelas duas vertentes da indústria. Portugal também possui alimentos que apresentam um elevado potencial para serem explorados nesta óptica, devendo a sua investigação ser incentivada. A importância económica desta valorização é de tal modo relevante que a comercialização destes produtos como alimentos funcionais está actualmente regulada por normas como as aplicadas nos Estados Unidos pela FDA ou na Comunidade Europeia (Regulation (EC) nº 1924/2006), dada a necessidade de proteger os consumidores e assegurar a segurança dos alimentos.
URI: http://hdl.handle.net/10174/3781
Type: article
Appears in Collections:ICAAM - Artigos em Livros de Actas/Proceedings
ZOO - Artigos em Livros de Actas/Proceedings

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Pdf do livro de actas.pdf11.76 MBAdobe PDFView/Open
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois